Publicado por: arielalmeida | 31 de maio de 2010

a água

tem cor, branca como as nuvens me olham.
e cheiro, puro como o do arvoredo.
lírica, cantaria conosco seu borbulhar.
colérica, terminaria-me como lenço rasgado.

daria-me voz se quisesse no agora gritar.
hoje só quero mágoa sem dor, sem sentir,
não sei o que me faz, a árvore ou o vento.
ainda que tropece no próximo fio, voarei,

seria a mim uma vida reservada
ou luzes monótonas a cobrir todos os véus?
tenho folhas, muitas, e tronco servil,
a correr pela vida, também ar, ímpio e fiel

beberei sem saber a próxima parada
ouvirei o canto que quiser me conter
a seda não me seduz, por ela passo incólume
ainda assim, rasga-me como faz na pedra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: